Café faz bem ou mal para o fígado?
José Carlos Ferraz da Fonseca
Médico especialista em Doenças do Fígado (Hepatologia)



O título deste artigo é uma das perguntas mais freqüentes por parte dos meus pacientes na clínica diária. Geralmente digo que não faz mal, mas sempre inseguro por falta de informações científicas confiáveis, pois sei de outros efeitos colaterais que o café (coffea arabica) consumido em altas doses e muito quente provoca, principalmente no aparelho digestivo, tais como: câncer de esôfago, câncer de faringe, gastrite, úlcera gástrica e câncer de reto (parte final do intestino grosso). Tanto a gastrite como a úlcera gástrica, diagnosticadas em grandes bebedores de café (mais de oito xícaras por dia), ocorrem pelo aumento da secreção ácida (ácido clorídrico) do estômago, ação esta promovida pela cafeína. Altas doses de café podem provocar também nervosismo, insônia, aumento da pressão arterial e dos níveis do colesterol total.

O café que bebemos contém: cafeína, potássio, magnésio, cálcio, ferro, sódio, gorduras, açucares, sais minerais, substâncias antioxidantes e vitaminas do complexo B. As propriedades benéficas do café são inúmeras e as consideradas mais importantes seriam:

a) a melhora do humor;
b) estimula a memória,
c) melhora da atenção e concentração;
d) diminui a incidência de depressão;
e) aumenta a energia física sem causar dependência;
f) evita o consumo de álcool e drogas em jovens;
g) alivia as dores de cabeça.

Diversos trabalhos científicos revelam que o café teria propriedades medicinais comprovadas, tais como:

a) no controle do alcoolismo;
b) redução em 30% o aparecimento do diabetes tipo 2;
c) na diminuição do risco de contrair doença de Parkinson;
d) prevenção do câncer de colon (parte do intestino grosso);
e) risco menor (40%) de desenvolver pedras na vesícula biliar.

Os resultados obtidos nesses estudos científicos são muito discutidos e os próprios autores recomendam que as pessoas não tomem café exageradamente como forma de tratamento e prevenção.

Com relação ao fígado, o café faz bem ou mal? De acordo com dezenas de artigos médicos publicados recentemente (2001-2011), o café faz mais bem para o fígado do que mal. Escolhi entre tantos artigos, quatro estudos que considerei de alto padrão científico e que foram realizados em três países diferentes: Japão, Itália e Estados Unidos. No estudo realizado no Japão (agosto 2001), os resultados revelaram que em pacientes japoneses que consumiam mais de cinco xícaras de café por dia ocorria uma diminuição significativa das enzimas hepáticas (alanina aminotransferases-AST/ALT), que se encontravam previamente aumentadas pelo consumo de álcool.

Um estudo realizado na Itália (outubro 2001) revela que o consumo de quatro ou mais xícaras de café ao dia seria capaz de inibir o aparecimento da cirrose hepática em pacientes alcoólatras ou não. Segundo os autores, o café, em doses de quatro ou mais xícaras por dia, teria uma ação protetora ao fígado contra o álcool . Por favor, mesmo conhecedor destes resultados científicos, tome café e álcool moderadamente, já que tal “proteção ao fígado” não acontece com todo mundo e você pode ser uma exceção.

Um outro estudo concretizado também na Itália (abril 2005) é muito interessante e sugere que o consumo de café por mais de uma década (mais de três xícaras por dia) reduz o risco de um indivíduo desenvolver câncer primário de fígado (leia artigo publicado neste blog sobre câncer primário de fígado), quando comparados com os não bebedores de café. Os resultados obtidos nesse estudo estão sendo questionados, por uma simples razão metodológica: os autores não informam sobre o consumo de tabaco entre os pacientes estudados, mesmo sabendo que o cigarro é uma das causas de câncer de fígado (leia artigo publicado neste blog sobre o cigarro e o fígado).

A pesquisa mais interessante foi realizada nos Estados Unidos (dezembro 2005) e sugere que o consumo de café e chá estaria associado à baixa incidência (números de casos novos) de doenças hepáticas crônicas, tendo como exemplo principal a cirrose hepática. Pacientes com hepatite crônica alcoólica ou de origem viral que fazem uso constante de café ou chá teriam uma evolução mais lenta para cirrose do que aqueles portadores de hepatite crônica sem hábito de tomar café. De acordo com os autores, duas xícaras de café ou chá por dia seriam suficientes para diminuir os problemas do fígado, inclusive internações hospitalares intercorrentes da doença crônica do fígado.

Novos estudos publicados e realizados na França (2011), reforçam o efeito hepatoprotetor do café entre portadores de hepatite crônica C. Um total de 238 pacientes virgens de tratamento com hepatite crônica C histologicamente comprovado, foram incluídos no estudo.O consumo diário de cafeína foi calculada como a soma dos valores médios de ingestão de café com cafeína, chá e refrigerantes que contêm cafeína.. Pacientes (154 homens, 84 mulheres, com idade média de 45 ± 11 anos) foram classificados de acordo com quartidade de consumo de cafeína: grupo 1 (225mg/dia <, n = 59), grupo 2 (225-407mg/dia, n = 57), grupo 3 (408-678mg/dia, n = 62) e grupo 4 (> 678mg/dia, n = 60). Pela análise multivariada, o consumo de cafeína diária superior a 408mg/dia (3 xicaras ou mais por dia) foi associado com um menor risco de atividade da classe inflamatoria hepática. O consumo de cafeína superior a 408mg/day (3 xícaras ou mais) está associada com atividade histológica reduzida em pacientes com hepatite C crônica. Estes resultados suportam potenciais propriedades hepatoprotetora da cafeína na doença hepática crônica.

Finalizando este artigo sobre a relação fígado e o ato de beber café, fica patente ao leitor que o café tomado moderadamente só faria bem ao seu fígado, apesar de não sabermos qual ou quais os componentes de tal bebida que agiria protegendo seu fígado. Mas não esqueça que o café pode provocar outras doenças, inclusive câncer e é bom evitar ingerir café muito quente e mais do que cinco xícaras por dia.

7 comentários:

prwilliam-cristovive disse...

Oi Dr. José Ferraz vc deve se lembrar de mim, sou sua paciente williane a garota de nove anos da qual vc está tratando de uma doença hepática, quero lhe agradecer por tudo que tem feito por mim,quero lhe desejar um feliz ano novo e que esse ano seja um ano de muitas bençãos para vc e sua familia estou certa que o Senhor Jesus vai lhe retribuir tudo que tem feito por mim.

Abraços: Williane Carneiro

Anônimo disse...

Muitissímo obrigado por sua dicas

Anônimo disse...

Olá, doutor. Gostaria de agradecer por sua disposição em publicar essas informações tão úteis. É necessário entretanto ressaltar que nos Estados Unidos, França, Japão e em outros países toma-se café bem mais diluído do que é o costume no Brasil. Então 4 ou 5 xícaras deles talvez correspondam a 2 ou 3 do cafezinho brasileiro...

Josuel Santos disse...

Dr. José feraz, quero lhe agradecer por sue disposição em nos ajudar sobre assuntos relacionados ao figado.
são pessoas como você, que ainda nos faz orgulhar em ser brasileiro.
abraço fraternal: Josuel Santos
19/10/11

desenvolvimento de sites disse...

Uma bebida muito brasileira. Adoro café e gostei das informações.

Anônimo disse...

Se todos medicos agise dessa forma teoutoria mais pessoas felizes nada melhor do que oconhecimento sobre nossa saude que Deus abencoe doutor e sirva de exemplo para outros medicos muitos queren ajudar falta e iniciativa valeu

Anônimo disse...

Que belo blog. Dr. muito obrigada, pelos esclarecimentos.
Ana Maura